Em maio de 1975, a partir de um convite do Departamento de Cultura do Rio de Janeiro, através do programa de circulação de espetáculos Pacote Cultural1, os coreógrafos Angel Vianna (1928) e Klauss Vianna (1928-1992) fundavam o Grupo Brincadeiras2, precursor do Grupo Teatro do Movimento. O grupo, com uma proposta de integração da expressão corporal com a dança e o teatro foi formado, inicialmente, por oito dançarinos do Centro de Pesquisa Corporal Arte e Educação3: Lúcia Correa, Mariana Muniz, Mariana Vidal, Patrícia Hungria, Paulo Guinot, Regina Vaz, Roberto Giovanetti e Silvia Caminada. A eles se somaram Débora Growald, Dolores Fernandes, Graciela Figueroa, Jean-Paul Raijzeman, Luciana Hugues e Michel Robin4.

Um dos primeiros grupos de pesquisa em dança, institucionalizado com apoio de órgão de fomento no Rio de Janeiro, o Grupo Teatro do Movimento, criado em 1976 por Angel e Klauss Vianna, visava não só divulgar o trabalho interdisciplinar que era feito no Centro de Pesquisa Corporal – Arte e Educação, como também dar continuidade à pesquisa em dança, iniciada na década de 60 com o Balé Klauss Vianna (1959-1962), em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Os Vianna, que já haviam sofrido a influência do teatro, iniciando um trabalho diferenciado de preparação corporal do ator no Rio de Janeiro5, e possuíam uma visão diversificada de corpo, criaram um grupo de dança de vanguarda em que não havia a concepção da imagem de uma bailarina ideal. O Grupo Teatro do Movimento rompia, deste modo, com os padrões estéticos da dança clássica, acolhendo dançarinos fisicamente distintos, o que vinha ocupar o lugar do corpo de baile tradicionalmente homogêneo, promovendo a aproximação do público com a dança.

Havia pessoas gordas, magras, altas, baixas – a única exigência era que fossem capazes de criar. Nas coreografias do grupo, os participantes recriavam gestos do dia a dia, “buscando fazer da dança um processo natural e orgânico, nascendo do cotidiano, do corpo do ator, dançarino, falante e musical” (COSTA, 1976).

A proposta era oferecer a possibilidade de dançar a todos aqueles que desejassem descobrir a dança que tinham dentro de si. Uma idéia era lançada e o movimento era proposto pelo bailarino, através de improvisações. As melhores eram selecionadas pelos coreógrafos, cujo papel era também o de estimular os bailarinos a participarem do processo criativo. Como processo de criação coreográfica, o Grupo Teatro do Movimento partia, portanto, da criação individual de seus participantes, “no que Angel chama de bailarino pensante e atuante: aquele que, através do improviso e da criação, diga [sic] com o corpo o que tem a transmitir” (POLO, 2005).

Com esse grupo, Angel e Klauss Vianna iniciaram uma nova pesquisa de movimento, patrocinados pelo diretor do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro, Paulo Afonso Grisolli (1934 – 2004). Intitulada “Significado e função de uma linguagem gestual e sua conotação no campo da Dança” (1977-1978) essa pesquisa apresentava como objetivo principal estudar o gestual cotidiano da criança e do adulto moradores tanto dos morros, quanto da cidade, em contraponto ao gestual presente nas escolas de dança, investigando de que maneira as pessoas utilizavam as diferentes partes do corpo em sua dança.

Para tanto, os integrantes do Grupo Teatro do Movimento recebiam aulas de anatomia, psicologia, comunicação, folclore, balé, dança moderna, ritmo, pesquisas de som e conscientização do corpo com professores como: Angel e Klauss Vianna, Lourdes Bastos, Graciela Figueroa, Lola Brickman, Suzy Botelho, Mauro Costa e Cássia Frade.

A interdisciplinaridade, presente no trabalho desde o Balé Klauss Vianna, persistia por meio dessas aulas complementares, fomentando nos bailarinos o exercício do pensamento crítico, o que denota a preocupação constante de Angel Vianna com a formação corporal, artística e intelectual dos integrantes do grupo. O Grupo Teatro do Movimento organizou, a partir de 1976, inúmeros cursos6 na Sala Corpo/Som, e muitas coreografias do grupo foram o resultado desses cursos ministrados por coreógrafos convidados, quando, logo em seguida, passaram a dirigir os espetáculos.

O Grupo Teatro do Movimento encontrou na Sala Corpo/Som, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro/MAM, o lugar ideal para abrigar sua pesquisa. E num período em que o Brasil sofria os efeitos da ditadura militar e da censura às artes, foi de importância fundamental a criação, pelo MAM, de espaços destinados a acolher trabalhos alternativos ao sistema oficial.Ao longo da década de 1970, foram criadas a Unidade/Sala Experimental, espaço vital para a experimentação em artes plásticas, e a referida Sala Corpo/Som, um projeto pioneiro do compositor Sidney Miller7. Espaço de caráter interdisciplinar, a modos de organização e de produção.

Da programação da Sala Corpo/Som participaram, entre outros, artistas como Angel, Klauss e Rainer Vianna, Amir Haddad, Gerry Maretski, Graciela Figueroa e o Grupo Coringa, Guilherme Vaz, Juliana Carneiro da Cunha, Ilo Krugli e Paulo Afonso Grisolli.

Movimento e Forma8, patrocinada pela FUNARTE, foi a primeira montagem do grupo encenada no MAM, em 1976, com direção geral de Angel e Klauss Vianna. O espetáculo tratava da dramatização do gestual cotidiano, utilizando poemas e músicas brasileiras. Dividido em quatro partes, era composto pelas seguintes coreografias: Corações Futuristas; Luiza Porto; Romeu e Julieta9; e Domínio Público.

Foram convidados para coreografar o Grupo Teatro do Movimento, em diferentes momentos, Oscar Arraiz, Lourdes Bastos, Graciela Figueroa e Lola Brickman. Os dançarinos do grupo contracenavam, no espetáculo Movimento e Forma, com Eliana Caminada e Aldo Lotufo, bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, numa proposta de diálogo entre as linguagens cênicas. Segundo Angel Vianna uma das metas do espetáculo era “chamar a atenção para o fato de que essas duas linguagens artísticas (a dança e o teatro) estão mais próximas do que pensa a grande maioria do público e dos próprios atores e dançarinos”. (parênteses nosso) (LEVI: 1976, s/p).

De pesquisa de movimento do grupo, realizada em processo de continuidade no período de 1975 a 1980, resultaram trabalhos significativos, tais como: Domínio Público (1976); Pulsações (1976); Luiza Porto (1976); Corações Futuristas (1976); Eterna (1977); Mal Ária Ba, Painel, Esboço (1978); e Construção (1979-1980). Alguns solos como Haydn com Graciela Figueroa e Palhaço, com Michel Robin, faziam parte do repertório.

A obra Domínio Público10 resultou de um curso com Oscar Arraiz, que abordava o funcionalismo público, explorando gestos cotidianos, baseado nas notícias dos jornais diários; e segundo Angel (VIANNA apud FREIRE: 2005, 94), “a coreografia mudava a cada dia, dependendo das notícias”.

Pulsações foi dirigida por Lola Brickman, resultando de um curso desta professora. Luiza Porto foi coreografada por Lourdes Bastos, com roteiro de Klauss Vianna, baseado no poema “Desaparecimento de Luiza Porto”, de Carlos Drummond de Andrade11. Corações Futuristas e Eterna foram dois pas de deux, de Lourdes Bastos, com música de Egberto Gismonti. Mal Ária Ba12 de José Possi Neto, teve composição musical de Guilherme Vaz e Carlos Ziccardi. E tanto Painel – sobre músicas dos índios Krapôs – quanto Construção, receberam coreografia de Angel Vianna, sobre trilha sonora de Egberto Gismonti, valorizando a pesquisa das raízes brasileiras.

Esboço, uma criação coletiva, resumia a filosofia do grupo, que buscava através do movimento, promover um “processo de autoconhecimento”, tentando juntar “o eixo corporal ao emocional” em busca da “totalidade corpo/mente”13. O Grupo Teatro do Movimento encerrou suas atividades em 1980, todavia seu efeito multiplicador pode ser observado nas obras criadas por grupos como o Grupo Coringa (1977-1985), fundado e dirigido pela coreógrafa uruguaia Graciela Figueroa, celeiro por sua vez de grupos como Intrépida Trupe, Cia. Área de Dança, Cia Deborah Colker e a Grande Cia de Mistérios e Novidades.

Acreditamos que retomar a pesquisa sobre o Grupo Teatro do Movimento, nos dias de hoje, significa mapear as origens da dança contemporânea no Rio de Janeiro, que reverbera continuamente na cena atual. Trata-se de um projeto de pesquisa inédito, para o qual, nós, pesquisadores do Grupo Artes do Movimento lançamos um apelo: além da homenagem, o trabalho do Grupo Teatro do Movimento demanda urgentemente um estudo aprofundado.

Enamar Ramos, Giselle Ruiz, Letícia Teixeira, Nara Keiserman e Joana Ribeiro.
Grupo Artes do Movimento
PPGAC/UNIRIO
2009

Notas

1 Este foi um projeto pioneiro no Rio de Janeiro, através do qual o grupo independente de dança Teatro do Movimento recebeu subvenção estatal para seus trabalhos. O projeto permitiu que o grupo se apresentasse em várias cidades do Estado, em locais como colégios, praças públicas, manicômio judiciário, clubes e até em penitenciárias.
2 O Grupo Brincadeiras inicia, em 1975, um repertório de trabalho de Beverly Crook e Angel Vianna.
3 O Centro de Pesquisa Corporal Arte e Educação, em Botafogo, foi fundado por Klauss, Angel Vianna e Teresa d‟Aquino. Além de pioneiro nas pesquisas de linguagem do corpo, durante a década de 70 tornou-se um ponto de encontro de atores, dançarinos, coreógrafos e artistas em geral, promovendo forte interdisciplinaridade. Por ser um casarão antigo, cujo acesso às salas de aula se dava através de um corredor aberto, onde os alunos se concentravam, ficou conhecido como “corredor cultural”.
4 Os nomes dos participantes foram colhidos em periódicos, organizados por POLO (2005), e disponibilizados no site <www.klaussvianna.art.br>.
5 Sobre isso ver com detalhes em RAMOS (2007) e TAVARES (2007).
6 Curso de Percepção Musical – Som e Corpo, ministrado por Suzy Botelho; curso com Graciela Figueroa, relacionando expressão corporal com som e rítmica; curso de Dança Moderna com Lourdes Bastos.
7 O artista, músico e compositor Sidney Miller (1945-1980) era profundamente envolvido com o projeto da Sala Corpo/Som e extremamente participante em todas as suas atividades durante o período de existência desse espaço no MAM. Sidney Miller faleceu no Rio de Janeiro, aos 35 anos, de um ataque cardíaco súbito. Em entrevistas e reportagens jornalísticas da época, amigos do artista afirmaram que a decepção de ver todos os projetos destruídos após o grande incêndio de 1978 no MAM foi um fator decisivo para sua doença e morte prematura.
8 Foram encontradas referências a uma prorrogação da temporada deste espetáculo intitulado, desta feita, como Forma e Espaço. Ver em .
9 Romeu e Julieta – coreografia de Eric Valdo, sobre música de Prokofiev, com os primeiros bailarinos convidados do Teatro Municipal, Aldo Lotulfo e Eliana Caminada.
10 Domínio Público recebeu, em 1977, o prêmio de melhor coreografia no 1º Festival de Dança Contemporânea de Salvador (BA).
11 Com trilha sonora composta por músicas de Tom Jobim, Pixinguinha, Ismael Silva, Chico Alves e Paulinho da Viola.
12 Mal Ária Ba! “Interjeição napolitana. Significa „tocar o barco‟, ou melhor „a gente vai levando‟, embora possa ser aplicada em vários sentidos, dependendo da entonação”. Disponível em www.klaussvianna.art.br.
13 Extraído do programa de apresentação da pesquisa “Significado e Função de uma Linguagem Gestual e sua Correlação [sic] no Campo da Dança”. Disponível em <www.klaussvianna.art.br>.

Referências bibliográficas

BRAGA, Suzana. “Dança”. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 29/09/1978. s/p.
COSTA, Mauro José. Grupo Teatro do Movimento – novas danças. Rio de Janeiro: Jornal Opinião, 10/12/1976. s/p.
FREIRE, Ana Vitória. Angel Vianna – uma biografia da dança contemporânea. Rio de Janeiro: Dublin, 2005.
LEVI, Clovis. O Globo. Rio de Janeiro, 18/11/1976.
POLO, Juliana. Angel Vianna através da história – A trajetória da dança da vida. 8º Programa de Bolsas RIOARTE: Rio de Janeiro, 2005.
RAMOS, Enamar. Angel Vianna: a pedagoga do corpo. São Paulo: Summus, 2007.
RUIZ, Giselle. Há! Folhetim n.21. Teatro do Pequeno Gesto. Rio de Janeiro: Jan./Jun. 2005.
TAVARES, Joana Ribeiro da Silva. Klauss Vianna, do coreógrafo ao diretor de movimento. Historiografia da preparação corporal no Teatro Brasileiro. 2007. Tese (Doutorado em Teatro). Rio de Janeiro: UNIRIO, 2007.
TEIXEIRA, Letícia. Conscientização do movimento: Uma prática corporal. São Paulo: Caioá editora, 1998.
VIANNA, Klauss e CARVALHO, Marco Antônio de. A dança. São Paulo: Siciliano, 1990. 1ª ed.
VIEIRA, Flávio Pinto. Em busca da dança brasileira. Rio de Janeiro: Tribuna da Imprensa, 17/10/1976.

Site

www.klaussvianna.art.br

Fontes Iconográficas

Todas as fotografias foram, gentilmente, cedidas do Acervo Angel Vianna.